Linha do Douro e Linha de Trás-os-Montes no PNF


A reabertura da Linha do Douro até Barca d’Alva e a Linha de Trás-os-Montes, causas defendidas pela Associação Vale d’Ouro nos últimos anos, constam do Plano Nacional Ferroviário, hoje apresentado pelo Ministro das Infraestruturas e da Habitação, embora não tenham considerado a totalidade da proposta da instituição.

A Associação Vale d’Ouro congratula-se pela inclusão, em sede de Plano Nacional Ferroviário, da reabertura da Linha do Douro e, parcialmente, da sua proposta para uma nova linha em Trás-os-Montes.

A defesa da reabertura da Linha do Douro reiniciou-se em 2018 quando, em conjunto com o Município da Régua, foi organizado o Grande Debate do Douro dando origem uma onda de reivindicação por toda a região que originou uma petição dinamizada pela Liga dos Amigos do Douro Património Mundial e culminou no anúncio, há algumas semanas, do lançamento do concurso para o projeto de execução que conduzirá à reabertura até Barca d’Alva.

Já o projeto da Linha de Alta Velocidade de Trás-os-Montes surgiu de uma iniciativa de quatro técnicos da região que desinteressadamente provaram a viabilidade técnica de uma ligação ferroviária que pudesse ligar o Aeroporto Francisco Sá Carneiro a Vila Real, Bragança e Zamora.

Apesar destes objetivos estarem alcançados, Luís Almeida, Presidente da Direção, considera que há ainda espaço para melhorias no plano e anuncia que a Associação Vale d’Ouro vai voltar a participar na consulta publica. Sobre a linha do Douro, o dirigente considera que falta considerar o tráfego de mercadorias e a reabertura para Espanha: “temos assistido a uma sucessão de Cimeiras Ibéricas que se abstém de discutir o essencial em ligações ferroviárias. A Linha do Douro precisa de ser reaberta para Espanha e as mercadorias são fundamentais para o Porto de Leixões, para o minério de Moncorvo e para os “earliest consumers” do futuro corredor de Trás-os-Montes. Recorde-se que se trata da ligação mais curta entre o Porto e Espanha”. Em maio último, a Associação Vale d’Ouro já havia estudado[1] a ligação entre a Linha de Trás-os-Montes e a Linha do Douro na zona de Vila Meã, com significativas vantagens para a Régua e Pocinho/Barca d’Alva. A proposta então apresentada reduzia a pressão sobre o troço urbano da Linha do Douro e colocava a região do Douro a pouco mais de 1h15 (Régua) do Aeroporto.

No que se refere à Linha de Trás-os-Montes Luís Almeida refere que “o início da linha em Caíde, proposto no Plano, não é tecnicamente viável e não acrescenta valor ao investimento uma vez que a Linha do Douro entre Porto e Caíde já tem muito tráfego urbano, ficará ainda mais solicitada com a Linha do Vale do Sousa e com o natural crescimento desse eixo suburbano por isso, a solução natural, é a ligação ao Aeroporto”. Até porque, acrescenta “ligando ao Aeroporto beneficiamos todo o território de Trás-os-Montes, mas também reduzimos o tempo de viagem da Linha do Douro: a ideia é descongestionar o troço Ermesinde-Caíde e não colocar mais pressão”. Referindo-se aos memorandos[2] entregues em maio, quando a Associação Vale d’Ouro foi recebida pelo Ministro das Infraestruturas, Luís Almeida recorda que “a ligação por Terras de Miranda terá vantagens ambientais face à solução que está no PNF e permitirá reduzir o tempo de viagem ao mesmo tempo que integra uma área do país profundamente desertificada e que precisa de um estímulo que esta linha poderá dar”. Também a sugestão de ligação a Chaves, através de Vila Real, não foi considerada no PNF apesar de constar no trabalho da Associação Vale d’Ouro.

Ainda sobre este assunto, o Presidente da Associação Vale d’Ouro, anuncia que “a participação no PNF nesta fase será feita através da apresentação de um estudo de viabilidade técnica, semelhante ao realizado há um ano atrás, em que esta definido um traçado para a ligação Bragança-Zamora via Terras de Miranda”. Este estudo que inclui as Terras de Miranda está praticamente concluído, foi desenvolvido pela mesma equipa, da mesma forma abnegada e será divulgado nos próximos dias.

O trabalho desenvolvido pela Associação Vale d’Ouro para o Corredor de Trás-os-Montes encontra-se disponível na internet (https://www.avtrasosmontes.associacaovaledouro.pt/).




 


17 novembro 2022